Só falta você!

sábado, 10 de setembro de 2011

Afinal O Que É O Trabalho?





Hoje em dia nos referimos ao trabalho basicamente como uma atividade profissional que desempenhamos em uma empresa da qual oferece uma remuneração pelo trabalho, sendo esta pertencente à terceiros, ou também podemos desenvolver o mesmo tipo de filosofia por uma iniciativa própria, ou seja, podemos trabalhar em um estabelecimento próprio.

Direcionando-se à questão, o trabalho em sua definição é tudo aquilo que causa esforço físico, então temos hoje trabalhos que exigem mais esforços físicos do que outros, enquanto existem outros que não causam esforço nenhum, e que nem por isso tem sua remuneração baseada no esforço ao qual o trabalhador está se submetendo.

Então chega-se à conclusão de que temos de trabalhar para sobreviver, sustentar coisas peculiares que consideramos de importância. Mas o lado ruim desta história é exatamente a concepção que temos de trabalho: algo que somos "obrigados" à fazer para sobreviver e isso é triste, uma vez que tudo aquilo que é feito por obrigação não é possível obter excelência, sobretudo não é possível ser feliz fazendo aquilo que não nos agrada. Imagine também, quantos talentos estão sendo desperdiçados por isso.

É triste saber que existem pessoas mercenárias, ou seja, aquelas que fazem tudo por dinheiro, ignorando até mesmo suas verdadeiras aptidões ao optar por um trabalho que lhe dê o salário mais alto. É triste saber que não são as pessoas que escolhem a sua profissão, mas sim o "mercado" que em tese vai lhe garantir um benefício. E eu pergunto: será que vale à pena jogar fora seu sonho para seguir os conselhos que está escrito nos jornais? Jogar fora o seu sonho por dinheiro?

Em suma, todos nós trabalhamos, alguns mais outros menos, e até existem os que não fazem praticamente nada, e tudo isso é de uma desordem total, aqueles que utilizam mais esforço não tem direito à mais remuneração. Isso tudo também está relacionado ao sistema capitalista que permite tamanha incoerência.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não sou o "dono da verdade", portanto, estarei sempre disposto a ouvi-lo(a)...