Só falta você!

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Cuidado com o que você vicia!





É preciso tomar cuidado com tudo aquilo que pertence ao mundo dos homens. Pois sempre haverá infelizmente más intenções consigo.

Vamos ir direto ao assunto. Vamos falar das drogas lícitas. Elas estão disponíveis no mercado tanto em forma sólida como em líquida. 

O indivíduo que fuma ou bebe, ou que faz as duas coisas, é incapaz de se valorizar, consequentemente as vidas alheias também não têm valor algum. E é por esta razão que fumantes soltam suas baforadas nocivas encima dos outros, sem o mínimo respeito ao ar de quem escolheu não ser mais um medíocre viciado. É também por esta razão que os que bebem saem as ruas com seus belos automóveis para matar.

Os motivos pelos quais levam certos indivíduos a fumar e/ou beber são os mais variados, dentre os mais comuns estão as más influências, o que não justifica já que ainda assim podemos escolher, e que por sua vez outras atuações que apesar de serem insignificantes como o simples gesto que o fumante executa para tragar seu cigarro, esquecendo-se que este ato do qual ele executa para fumar na verdade o executará. Enfim, entre outros mais... O sujeito acredita fazer bonito ao fumar, pensando ser independente, o que gera um paradoxo, pois ele pode ser independente no momento de escolher fumar e sustentar isto, mas logo em seguida ele volta a ser dependente, só que desta vez é do cigarro. Lembre-se de que as pessoas passam pelas nossas vidas, porém o vício fica.

Eu não sou um ser de outro mundo, já me ofereceram cigarro, bebidas e até outras drogas, mas eu tenho personalidade meu amigo! Eu não permito que falem ou que decidam por mim. Em tais "oportunidades" eu já sabia o que fazia mal a mim, que no caso além destes "amigos" que por acaso nunca mais os vi os "produtos para viciar e depois matar". 

Bem, então eu sei que fumar e/ou beber pode parecer descolado, elegante... Mas façamos a seguinte reflexão: será que vale a pena se matar para ser descolado ou elegante? Poxa, eu sei que é aparentemente legal sentar à mesa de um bar e gritar: "Ô corintiano serve uma pra nóis!". Mas não é legal ser um alcoólatra que vive caindo pelas ruas. Também tem aquela de tomar porres só para chamar a atenção dizendo o um orgulho infame: "Tomei todas". Sendo que depois o sujeito vai ficar com uma dor de cabeça enorme sem contar com as doenças cancerígenas que isso irá lhe acarretar.

Não trata-se aqui de uma campanha pela saúde, mais do que isto trata-se de conscientização pessoal, isto é, não permita que os capitalistas enriqueçam as custas da sua vida, não permita que os capitalistas te matem, não caia no truque das propagandas que eles tanto investem com o que era seu dinheiro e que tomará o de tantos outros. Isto vale para quaisquer produtos feitos para viciar e/ou matar.

Então, tudo que a princípio era uma brincadeira torna-se coisa séria, e enquanto isto ocorre as indústrias sorriem alegremente por causa do crescimento de viciados. 

Existem os que dizem: "Ah, mas beber um pouquinho não faz mal a ninguém". Porém, este é o golpe de marketing mais conhecido, pois todo viciado um dia começou aos poucos.

Ao contrário do que se pensa, existem bom vícios, e é por este motivo que intitulei este texto de "Cuidado com o que você vicia". Ou seja, você deve saber escolher no que vicia, e isto é possível quando analisamos os lados bom e o ruim das coisas, absolutamente tudo têm estes dois aspectos. Fora com esta análise que conclui que fumar seria descolado na hora, mas esta brincadeira me levaria ao vício, que por sua vez me mataria, e aos poucos. Não obstante, os mafiosos lucrariam com a minha gradativa morte. Contudo, gera-se automaticamente um "booom" na nossa mente e é mais do que perceptível a decisão correta a se tomar. 

A mensagem final que gostaria de deixar é a de que analise tudo previamente para depois viciar. Eu por exemplo escolhi ser viciado em música, política, esportes... Coisas que não afetam minha saúde.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não sou o "dono da verdade", portanto, estarei sempre disposto a ouvi-lo(a)...