Só falta você!

domingo, 18 de dezembro de 2011

Um Paralelo entre Consciência e Caráter





As pessoas chamam de "consciência" aquilo que nós tomamos como responsabilidade, isto é, se diz um sujeito de princípios aquele que possui consciência. Mas eu não acredito que a consciência seja o termo mais adequado.


Veja, a consciência em sua definição é a noção que se passa em nós; como ter consciência de nossos deveres. Então, esse é ponto equivocado, significando que para termos consciência devemos antes ter noção, ou seja, a "consciência" assim tratada abre uma margem de erros, dando aos indivíduos uma possibilidade de justificação para a sua falta de consciência, exatamente pela falta de noção que este possa ter. De modo mais prático quero dizer que o sujeito considerado "inconsciente" por não respeitar os valores morais, pode alegar que  não tem conhecimento do mal existente, isto é, não tem "consciência" e que portanto não poderia fazer nada.


Para quebrar este tipo de margem de erro devemos utilizar o termo correto que seria o "bom caráter". O indivíduo que possui bom caráter depende unicamente dele próprio para ser assim, trata-se de uma escolha sem meio termo, você pode ser bom ou mal caráter.


A pessoa que escolhe ser de bom caráter escolhe ser uma pessoa de valores, e que os respeitará até o último suspiro, esta é a característica principal do indivíduo bom caráter. Embutido nesses valores está uma base para todos os outros que se chama "moral", que é a partir dela  que o indivíduo se sustentará. 


A partir disso podemos discernir uma coisa da outra, e saber que as pessoas geralmente chamadas de "conscientes", por fazerem e se preocuparem com os problemas de interesse universal, são mais do que isso, são na verdade pessoas que escolheram agir de acordo com o bom caráter, enquanto a consciência é apenas uma noção inicial das situações, que obrigatoriamente adquirimos em vida. Então, todos temos noção das coisas a princípio, porém o que vai fazer de nós bom ou mal caráter serão as atitudes que tomaremos depois de ter conhecimento.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não sou o "dono da verdade", portanto, estarei sempre disposto a ouvi-lo(a)...