Só falta você!

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Minha apologia de Sócrates





Bem, depois da apologia de Sócrates escrita por um de seus discípulos Platão, apresento aqui minha própria apologia de Sócrates, é evidente que não conheci Sócrates, não testemunhei nenhuma de suas façanhas que fácil e espontaneamente eram postas a apreciação. Contudo, infelizmente não pude conhecer simplesmente o ser humano mais interessante que esta terra já produziu.

Mas, apesar de não o ter conhecido pessoalmente, o conheci através da literatura. Um homem absolutamente incrível, tão incrível que nem se quer escreveu uma palavra, tudo que há de literário sobre Sócrates foram escritos pelos seus discípulos. A pergunta é: como uma pessoa que não registrou nada garantiu uma reputação tão grandiosa? Simples! Sócrates era um gênio sem igual, então foi isso que garantiu a Sócrates tantos discípulos que se dedicaram totalmente a ele, registrando por vontade própria os seus ricos diálogos e pensamentos.

Agora o que me faz contemplar Sócrates é que ele consegue ter uma simplicidade única e ao mesmo uma genialidade também única. Sócrates era uma pessoa de inteligência normal, mas ele tinha um item imprescindível para um indivíduo inovador que era exatamente a sua sabedoria, ele pensava diferente dos demais. Sócrates foi acima de tudo um revolucionário, com sua nova maneira de pensar ele transformou a forma de pensar do mundo inteiro. Sócrates a princípio não acreditou que era o homem mais sábio do mundo, foi por isso que saiu em busca das pessoas retratadas como sábias da época, tais como os poetas. Ocorreu nas entrevistas de Sócrates com os poetas muita decepção por parte do próprio Sócrates, pois quando ele indagava os poetas sobre suas obras percebia pouca essência vinda dos autores, enquanto o contrário acontecia com os leitores destes poetas, que estes sim tinham tiravam das obras coisas das quais os poetas não imaginavam. Então, mais uma vez Sócrates teve de concordar com o fato de ser o homem mais sábio do mundo. Não obstante nas andanças de Sócrates, com esta fundamental lição que acabara de aprender, ele passou a procurar por provar aos escravos da época que eles eram capazes tão quão seus donos de exercer quaisquer tipos de tarefas como a política, mas frustradamente os escravos não acreditavam.


Depois de comprovado por ele mesmo, que ele era o homem mais sábio do mundo mais do que nunca Sócrates engendrou ainda mais sua sabedoria passando horas e horas do dia filosofando sozinho.

Uma pitada de Sócrates:

"Só sei que nada sei", "Conhece-te a ti mesmo", "Aquilo que não puderes controlar, não ordenes", "Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância", "Uma vida sem desafios não vale a pena ser vivida", "Aquele a quem a palavra não educar, também o pau não educará", "O que deve caracterizar a juventude é a modéstia, o pudor, o amor, a moderação, a dedicação, a diligência, a justiça, a educação. São estas as virtudes que devem formar o seu caráter.", "O verdadeiro conhecimento vem de dentro.", "Pois bem, é hora de ir: eu para morrer, e vós para viver. Quem de nós irá para o melhor é obscuro a todos, menos a Deus."

É preciso falar mais alguma coisa? Sócrates era o "cara".

Quando lemos Sócrates sente-se a sensação de que trata-se de um homem contemporâneo, ou seja, que viveu até pouco tempo atrás, coisa de alguns anos. Na realidade, Sócrates é de 470 a.c., uma época muito remota do mundo, e este fato aumenta ainda mais as virtudes de Sócrates, como explicar que um homem de uma época tão escassa de conhecimento que possuía tamanha genialidade e hoje mesmo com todo o conhecimento que o mundo já adquiriu ainda não surgiu uma pessoa tão incrível quanto?

É como sempre venho dizendo: não sou fanático por nada pertencente aos homens. Tenho total consciência que Sócrates era um ser humano, cujos defeitos lhe são naturais. Mas é fato que Sócrates foi a personalidade mais importante da história da humanidade, o cara fundou a filosofia, dividiu-a em duas partes a pré e a pós-socrática, que por sua vez esta mudou o mundo completamente, dando-lhe a forma que ele tem hoje. 

Também há controvérsias quanto a criação da filosofia, pois existiram grandes filósofos pré-socráticos, como por exemplo o chinês Confúcio e o grego Tales de Mileto que é o primeiro filósofo ocidental que se tem conhecimento. Mas Sócrates foi o primeiro filósofo nascido em Atenas, e ele foi quem aperfeiçoou a filosofia.

Sócrates era um líder completo, ele não caiu em tentação, era um homem honrado, preferiu morrer a fugir da sua verdadeira identidade.

Enfim, eu poderia falar e continuar falando de Sócrates durante um tempo indefinido, mas paro por aqui minha pequena homenagem ao grande Sócrates, simplesmente o homem mais incrível da história da humanidade, incomparável com qualquer outra pessoa. É uma pena que nem todos saibam quem foi Sócrates. Procure saber mais sobre este que foi o gênio dos gênios.

sábado, 26 de novembro de 2011

Teoria das Possibilidades



Parece-me que para ser um verdadeiro filósofo é necessário que se tenha ao menos uma teoria formada, assim como para ser escritor é preciso ter pelo menos um romance criado, enfim... Bem, pois que vamos a minha teoria filosófica...

Embora minha teoria seja muito parecida com a famosa Teoria das Ideias de Platão, na verdade elas são semelhantes, pois têm a mesma base, então digamos que minha teoria é mais ampla que a de Platão.

Bom, a Teoria das Ideias de Platão diz que para tudo que há na natureza já existe em outro mundo, então os animais do nosso mundo por exemplo são na verdade meras cópias do mundo real, isto é, o mundo das ideias. Conclui-se que para o cavalo existir em nosso mundo deve haver antes a ideia de cavalo no mundo real.

Então, aí entra minha teoria que concorda que já exista a ideia das coisas físicas, embora  para mim as ideias das coisas não estejam necessariamente em um mundo externo. Bem, já a minha teoria é como a de Platão neste sentido, só que ela se amplia para todas as possibilidades, daí o nome Teoria das Possibilidades. Isto quer dizer que já existe não somente as ideias das coisas tangíveis como os reinos animal e vegetal, mas também acredito que isto vale até para os pensamentos. Ou seja, o ser humano quando pensa, na verdade ele está reproduzindo um pensamento possível, sendo que todos os pensamentos possíveis só são possíveis por existirem previamente. Portanto, logo conclui-se que o ser humano não inventa nada. É tudo uma questão de reprodução daquilo que pode vir a existir, quero dizer que as pessoas quando por exemplo pintam quadros, compõem músicas, romances e etc... Elas na verdade estão passando por um processo de recebimento de novas ideias, como se fosse uma dádiva. 

Esta teoria é importante, pois demonstra que as pessoas na realidade não possuem méritos por suas supostas "criações", o conceito de criação humana é ilusão, ninguém pode inventar algo que não exista, que não seja possível. 

Tudo que vemos "criados" por alguém como a roda, uma máquina qualquer... São coisas pertencentes digamos ao "mundo das possibilidades" do qual é governado por Deus o verdadeiro dono das criações.

Isto vale para absolutamente quaisquer formas de pensamentos, pois tudo que é pensável deve passar antes pelo "mundo das possibilidades". A partir de tudo isso é possível afirmar que tudo o que você já imaginou e que ainda vai imaginar é originalmente relativo ao mundo das possibilidades, inclusive esta teoria que acaba de ler.

domingo, 20 de novembro de 2011

Dando Margem ao Erro



Para que o erro possa acontecer deve haver antes uma oportunidade para que ele ocorra. Um fator preponderante para gerar erros é a inconsistência de um determinado plano.


Bem, a polícia é o modelo perfeito disto. Nela, acontece que os militares desde sua formação passam por um regimento questionável, como a não aceitação de gays e muito pior às vezes quando ao invés de ensiná-los os "superiores" abusam exatamente desta que os tornam superiores, e aspirantes acabam por exemplo sendo amarrados e colocados encima de armários feito troféu. Enfim, todo tipo de barbaridade no que diz respeito a tortura é criação própria de militares.


Não quero generalizar aqui dizendo que todos os militares são abusadores, nem ao menos sei dizer se são maioria, mas é fato que está incorporado ao militarismo o abuso que vão desde agressões até tortura. Isto ocorre porque a opressão é parte representante do militarismo, isto é, sem repressão, sem ao menos um resquício dela não há imponência. Imponência da qual é o manto necessário para que se possa haver um "respeito maior" para com os militares.


Também sei entender que os militares são importantes, porém o que está principalmente errado nos militares que conhecemos é que além da má formação, eles são utilizados em meios incompatíveis à eles, ou seja, um ambiente mais civilizado como as cidades já pode ser considerado incompatível, porque a estrutura da cidade não se adapta com tanques de guerra, caminhões blindados e etc. Quer dizer, pense comigo - Imagine por exemplo um tanque de guerra aguardando a abertura do semáforo, ou então soldados marchando pelas ruas até correndo perigo de serem atropelados. 


Então, com tudo isso quero expor o seguinte: na atual situação que se encontra o mundo, ou seja, globalizado, cheios de fronteiras, isto é um ninho de interesses dos maus políticos, que exatamente por serem além de incompetentes são desumanos, o que pode ser uma ameça futura a qualquer país. Então, exércitos infelizmente precisam existir, pois o exército é o elemento de defesa de uma nação, é desta forma que este deve ser aplicado, esta é a forma correta de usá-lo, mas não contra a sua própria nação como nas ruas contra os civis. O princípio é que um exército só pode ser usado contra um outro exército e em campo de batalha e não nas cidades.


Por fim, defendo a ideia de que não precisamos de polícia nas ruas, muito menos militares, pois não é isto que resolve os problemas, mas precisamos ir direto à causa dos problemas que hoje geram a necessidade de polícia. O que gera a necessidade de polícia? Um exemplo bem clássico seria para prender o bandido. Porém deveríamos reaver a origem do problema, que no caso é por que existem bandidos? Será um hobby? Os bandidos apreciam o fato de roubar? Claro que não! Ocorre que o sistema está equivocado! Isto é, o capitalismo é a origem do problema referido, portanto é ele que deve ser combatido. Experimente imaginar uma país em que todos tenham educação de qualidade e emprego de qualidade. Consequentemente neste país não haveria bandidos, pois ninguém com uma boa educação e um bom emprego se arriscaria roubando alguém.


Concluindo, não é a polícia que solucionará os problemas sociais, não havendo necessidade de existência de polícia, pois se ela existir alguns problemas serão resolvidos, e por outro lado outros serão gerados, isto é, a polícia representa uma margem para o erro. Bem como, o exército nas ruas e etc.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

As Dez Questões





Se eu tivesse de elaborar pelo menos dez questões capazes de desafiar a razão humana, seriam as seguintes:

1 - Deus existe realmente? Por quê?

2 - Se Deus existe, por que ele permitiria tanta injustiça no mundo?

3 - Qual é o sentido da vida?

4 - Em algum momento é aceitável matar uma pessoa?

5 - É verdadeira ou trata-se de demagogia a ideia de que tentar fazer algo é mais importante do que conseguir fazer algo?

6 - O ser humano sempre terá sede de poder?

7 - O ser humano é capaz de criar algo melhor do que Deus?

8 - Qual é o sentimento mais importante da vida?

9 - Existe vida após a morte?

10 - Existe sorte ou interferência divina?

Possíveis respostas:

1 - Acredito que Deus seja uma questão de crença, não são livros que provam a existência de Deus, muito mais do que isto, Deus é pessoal, ou seja, ele existe dentro de cada um de nós e ele é aquilo que imaginamos que ele seja. Acredito na existência de Deus simplesmente porque o homem não conseguiu e não conseguirá provar o contrário.

2 - Esta é a questão que mais me aflige. Portanto, não sei responder o porquê Deus permitiria tanta maldade no mundo, mas prefiro acreditar na minha teoria de que as pessoas que sofrem das atrocidades do mundo estão na verdade pagando pelo erros cometidos em uma vida passada. Embora na dúvida devemos ajudar aqueles que sofrem injustiças.

3 - Para a clássica pergunta do sentido da vida, eu diria humildemente que o sentido da vida é amar ao máximo, ou seja, experimentar o sentimento máximo da vida humana que é o amor. Então, para mim a vida é uma graça concedida por Deus cujo objetivo principal é amar ao próximo como a si mesmo.

4 - Bom, matar uma pessoa nunca é uma medida humanamente aceitável, pois a vida só pode ser tirada por aquele que a concedeu, que no caso é Deus. Salvo nos momentos de matar ou morrer, isto é, quando um indivíduo se coloca como algoz de outro, restando apenas ao outro matá-lo como forma de sobrevivência.

5 - Acredito que seja verdadeira, pois a vida é também uma questão de alcance. Portanto tudo o que está ao nosso alcance depende única e exclusivamente de nós, com isso justifica-se o fato de que é mais importante tentar que depende somente de nós, do que conseguir agarrar algo que está fora de nosso alcance e que por sua vez depende de algo maior.

6 - Eu acredito no ser humano. Portanto, varia de pessoa para pessoa, claro que sendo mais comum que se tenha sede de poder, mas eu falando por mim posso afirmar que não sinto nenhuma sede de poder extrema, ou seja, não desejo o poder de mandar em alguém, só desejo o poder de controlar a mim mesmo quando quiser sem necessitar de ajuda alheia.

7 - Acredito que não, se Deus existe ele é perfeito. Sendo o homem uma mera criatura de Deus, e que portanto é impossível que a criatura supere o criador.

8 - Como já disse é o amor. O amor verdadeiro faz tudo valer a pena, é um combustível que dá valor as nossas vidas. Devemos buscar sempre amar e é melhor ainda quando somos amados.

9 - Acredito na possibilidade de haver vida após a morte, pois como crente em Deus uso como fator preponderante a justificativa do sofrimento do mundo, ou seja, as pessoas que aqui sofrem em uma vida horrível sem terem feito nada (na vida atual) a ponto de merecerem, só podem estar pagando por erros de uma vida passada.

10 - Uma resposta bem clichê seria: " Sorte para as coisas menores e interferência divina para as coisas fundamentais". Porém, eu responderia dizendo que Deus somente interfere quando merecemos tal interferência.

E aí, quais seriam suas respostas?

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Cuidado com o que você vicia!





É preciso tomar cuidado com tudo aquilo que pertence ao mundo dos homens. Pois sempre haverá infelizmente más intenções consigo.

Vamos ir direto ao assunto. Vamos falar das drogas lícitas. Elas estão disponíveis no mercado tanto em forma sólida como em líquida. 

O indivíduo que fuma ou bebe, ou que faz as duas coisas, é incapaz de se valorizar, consequentemente as vidas alheias também não têm valor algum. E é por esta razão que fumantes soltam suas baforadas nocivas encima dos outros, sem o mínimo respeito ao ar de quem escolheu não ser mais um medíocre viciado. É também por esta razão que os que bebem saem as ruas com seus belos automóveis para matar.

Os motivos pelos quais levam certos indivíduos a fumar e/ou beber são os mais variados, dentre os mais comuns estão as más influências, o que não justifica já que ainda assim podemos escolher, e que por sua vez outras atuações que apesar de serem insignificantes como o simples gesto que o fumante executa para tragar seu cigarro, esquecendo-se que este ato do qual ele executa para fumar na verdade o executará. Enfim, entre outros mais... O sujeito acredita fazer bonito ao fumar, pensando ser independente, o que gera um paradoxo, pois ele pode ser independente no momento de escolher fumar e sustentar isto, mas logo em seguida ele volta a ser dependente, só que desta vez é do cigarro. Lembre-se de que as pessoas passam pelas nossas vidas, porém o vício fica.

Eu não sou um ser de outro mundo, já me ofereceram cigarro, bebidas e até outras drogas, mas eu tenho personalidade meu amigo! Eu não permito que falem ou que decidam por mim. Em tais "oportunidades" eu já sabia o que fazia mal a mim, que no caso além destes "amigos" que por acaso nunca mais os vi os "produtos para viciar e depois matar". 

Bem, então eu sei que fumar e/ou beber pode parecer descolado, elegante... Mas façamos a seguinte reflexão: será que vale a pena se matar para ser descolado ou elegante? Poxa, eu sei que é aparentemente legal sentar à mesa de um bar e gritar: "Ô corintiano serve uma pra nóis!". Mas não é legal ser um alcoólatra que vive caindo pelas ruas. Também tem aquela de tomar porres só para chamar a atenção dizendo o um orgulho infame: "Tomei todas". Sendo que depois o sujeito vai ficar com uma dor de cabeça enorme sem contar com as doenças cancerígenas que isso irá lhe acarretar.

Não trata-se aqui de uma campanha pela saúde, mais do que isto trata-se de conscientização pessoal, isto é, não permita que os capitalistas enriqueçam as custas da sua vida, não permita que os capitalistas te matem, não caia no truque das propagandas que eles tanto investem com o que era seu dinheiro e que tomará o de tantos outros. Isto vale para quaisquer produtos feitos para viciar e/ou matar.

Então, tudo que a princípio era uma brincadeira torna-se coisa séria, e enquanto isto ocorre as indústrias sorriem alegremente por causa do crescimento de viciados. 

Existem os que dizem: "Ah, mas beber um pouquinho não faz mal a ninguém". Porém, este é o golpe de marketing mais conhecido, pois todo viciado um dia começou aos poucos.

Ao contrário do que se pensa, existem bom vícios, e é por este motivo que intitulei este texto de "Cuidado com o que você vicia". Ou seja, você deve saber escolher no que vicia, e isto é possível quando analisamos os lados bom e o ruim das coisas, absolutamente tudo têm estes dois aspectos. Fora com esta análise que conclui que fumar seria descolado na hora, mas esta brincadeira me levaria ao vício, que por sua vez me mataria, e aos poucos. Não obstante, os mafiosos lucrariam com a minha gradativa morte. Contudo, gera-se automaticamente um "booom" na nossa mente e é mais do que perceptível a decisão correta a se tomar. 

A mensagem final que gostaria de deixar é a de que analise tudo previamente para depois viciar. Eu por exemplo escolhi ser viciado em música, política, esportes... Coisas que não afetam minha saúde.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Os Acomodados





Atualmente, até parece que mais do que nunca está havendo manifestações públicas. Manifestações das quais já podem ser comemoradas, pois é uma prova de que muitas pessoas estão realmente preocupadas com os problemas do mundo.

Apesar de existirem problemas consideravelmente grandes no mundo, porém nem todas as pessoas se dão conta. Isto porque estão alienadas do próprio mundo ou por serem relaxadas demais, ou seja, os indivíduos acomodados que se contentam com qualquer coisa.

Abstendo-se das responsabilidades humanas, uma parte das pessoas empurram a vida que tem com a barriga, sem saber ao menos onde isso vai dar.

Então, quero explicitar que as todas as pessoas presentes em manifestações, protestos e afins, não estão lutando somente por direitos exclusivos, mas por todos nós. Enquanto deveríamos estar lá com eles para juntarmos ainda mais força, os indivíduos um pouco menos acomodados e tagarelas - diga-se de passagem - só reclamam das condições de vida ruins, e dos fulanos que fazem errado, mas de braços cruzados nada fazem além de tagarelar. E como se já não bastasse a modalidade de acomodados linguareiros, existem os que nem se quer isto fazem, ou seja, eles não se incomodam com absolutamente nada, tudo está bom! Estes sujeitos esperam o pior acontecer para tomar partido de alguma coisa, isto é triste!

Por fim, chegará o dia em que as pessoas pagarão pelas coisas que fizeram e também pelas coisas que deixaram de fazer.

domingo, 6 de novembro de 2011

O Excesso de Liberdade





Bem, já é trivial entre as pessoas a ideia de que nada em excesso pode ser benéfico. Portanto é possível afirmar que existe sempre uma linha imaginária que limita tudo aquilo que podemos fazer.

Exemplos de liberdade extrema nos remete ao erro, isto é, não somos suficientemente livres para matar outra pessoa por exemplo. Assim como não podemos obrigar ninguém a fazer o que não queira.

Conclusão, nada em excesso faz bem. Inclusive até para o amor existem limites, pois o amor exagerado tem nome e se chama idolatria, sendo que nenhum homem é digno de amor aos exageros, uma vez que igualam-se pelo fato de tratar-se de seres imperfeitos. Salvo para o amor divino, pois Deus é o único ser perfeito, e isto o faz merecedor de idolatria.

Bom, como já que comecei mencionando a popularizada ideia do excesso, aqui vai outra - a ideia de que não há regra sem exceção. Como é o caso do amor idólatra, desde que este seja ágape. 

Portanto, é possível dizer que o excesso de liberdade também é um mal. O mundo vive sob uma grande oscilação de excessos e escassez de liberdade. Sem citar tipos, é excesso tudo aquilo que um indivíduo faz e que provoca interferências prejudiciais à um terceiro. E configura-se carência de liberdade quando não podemos decidir por nós mesmos.

Por fim, devemos possuir liberdade constantemente, lembrando incessantemente que ela se limita à nós mesmos. 

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Os Livros Sagrados





Não é um dos meus temas favoritos as religiões, mas vou tratar neste texto da existência dos livros sagrados peculiares às religiões.


Ocorre que cada dogma possui um livro, um "manual", pois este representa na teoria os princípios doutrinários do mesmo. Bem, o fato é que qualquer religião é uma mera criação humana, e tudo em que o homem toca é ruim e bom. Portanto sem fugir a regra a religião, bem como seus manuais doutrinários possuem erros morais e contradições, cujas características são originárias dos indivíduos que as criaram.


Então, devemos estar sempre de olhos atentos ao que qualquer homem faz, não digo que temos de ser preconceituosos, mas eu diria que temos de ser mais cautelosos, incrédulos, isto é, não acreditar logo de cara no que nos é servido.


Outro grande equívoco que é popular no mundo ocidental é que acredita-se invariavelmente que só existe uma bíblia no mundo. Ou seja, não somente os devotos do cristianismo, mas também os mais leigos acreditam que a bíblia cristã representa a verdade. Porém não existe nenhuma prova existente para tais fatos bíblicos, as histórias bíblicas na verdade são parábolas, muito embora são válidas pois trazem consigo muita sabedoria, mas apenas sabedoria e não a evidência.


Já no lado oriental a coisa muda de figura, lá não predomina a bíblia cristã, mas a religião mais forte presente neste lugar é o islã, contudo a bíblia oriental pode ser considerada o alcorão. Enfim, existem intermináveis religiões pelo mundo, e cada uma delas com suas contradições que desmascaram suas parábolas, e suas conservações que revelam seu autoritarismo que não acompanham a evolução natural do mundo.


Por fim, se tratando da bíblia ocidental ou oriental não existe diferença considerável, ambas possuem seus erros, pois foram homens que as criaram.