Só falta você!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

O que você faria? Continuação



Depois de iniciar uma parábola que tomou proporções de uma "parábola-novela", cá estou eu para dar sequência a breve estória que se segue:

" Caro desconhecido,

Escrevi esta carta pra você mesmo sem saber que você realmente exista, mas se realmente existir e estiver lendo-a gostaria de dizer-lhe que moro numa ilhota distante daqui junto com meu irmão, lá temos todos os meios necessários para a sobrevivência, porém eu nunca tive as devidas explicações para o mundo completo, e é por essa razão que estou aqui.

Meu único desejo é que levem a mensagem verdadeira ao meu irmão, pois prometi a ele que diria o que era o mundo além da nossa ilhota.

Desde já agradeço..."

O homem que acabara de ler a carta estava comovido e mesmo sem saber exatamente onde ficava a ilhota assumiu a missão imediatamente de chegar até a isolada ilhota para falar com o irmão do homem morto.

Com seu rápido barco ele partiu na direção sul, não sabia precisamente o porquê, porém saiu em disparada sem pensar em nada além do desejo do homem morto.

Foi na mosca! Depois de um dia navegando na velocidade máxima, o homem e também capitão do barco avistou uma ilhota próxima com o auxílio de uma luneta, e pensara: (Será esta a ilha do homem morto?)

Quanto mais o barco se aproximava era mais nítida a imagem da ilhota, e do ponto de vista da ilhota o barco também era cada vez mais nítido, então o irmão do homem morto percebeu a aproximação de um barco e ficou assustado, pois nunca havia visto outro barco a não ser o dele próprio, ainda mais um bem maior, e então pensou("Meu irmão tinha razão, eu estava enganado!").

O grande barco atirou um objeto estranho na água, o homem capitão descia dentro de um bote, foi quando ele viu o homem da ilhota("Então era verdade a história do homem morto!"). O homem capitão remou até a ilhota e o homem na ilha percebeu que não era o seu irmão e pela primeira vez via um homem que não era seu irmão. Finalmente, o homem capitão chegou e disse:

- Você é o irmão do homem que saiu de barco?
- Sim...

Sem esperar mais o capitão tirou do seu bolso e entregou-lhe a carta...

- É do seu irmão...

O homem pegou a carta, leu-a e em seguida entrou em lágrimas. E então perguntou:

- Onde está o meu irmão?
- Está dentro do meu barco.
- Traga-o até mim por favor!

Após o capitão trazer o irmão até ilhota os dois enterram-no ali mesmo. A única coisa que restava ao capitão era perguntar ao então único homem da ilhota se ele desejava sair dali e conhecer o mundo, e o homem aceitou.

O homem passou a trabalhar como marujo no barco do capitão, ele também constituiu uma família e esporadicamente visitava a ilhota com ela.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não sou o "dono da verdade", portanto, estarei sempre disposto a ouvi-lo(a)...