Só falta você!

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Que Mundo é Esse?





Como já diria a canção de Renato Russo "Que País é Esse?". Eu fico me perguntando afinal que mundo é esse?


Por que nascemos em um mundo condenados a pagar pelos erros dos outros, e viver sob seus domínios? Não podemos decidir nem se quer o que serão de nossas vidas.


Que mundo é esse, em que a crueldade reina, sendo que este reino só se amplia ao passo em que as pessoas se multiplicam cada vez mais e em velocidade máxima?


O mundo trata-se de deveres, se você faz parte deste você deve se submeter aos que aqui estão, e isso pode ser ruim quanto pode ser bom, mas em geral é bom, pois a maioria das pessoas são bondosas, o problema é que elas aprendem a ser más no mundo em que vivem.


Acredito que não sejamos tão providos de privilégios no mundo atual quanto os que aqui viveram no passado, mas num passado bem remoto, onde as pessoas eram menos, e que não precisavam fazer sociedade para sobreviver. Imagine o tempo em que não existia estradas, mas apenas trilhas a pé para se locomover. Imagine poder construir sua casa em qualquer parte do mundo podendo ser numa praia, ou próxima de uma cachoeira, mas infelizmente veio a multidão que devasta tudo pela frente para montar uma "sociedade imensa" e descontrolada. Hoje se quisermos uma casa na praia temos de pagar uma coisa que o mundo inteiro chama de moeda. Neste mundo por exemplo se quisermos ser músicos não basta fazer música que agrade as pessoas, mas necessitamos de uma "carteirinha" para sermos considerados músicos.


A sociedade é uma problemática complexa de ser resolvida, aliás, ela não tem solução, só podemos amenizar os seus problemas, mas o fato é que assim como numa fruteira onde uma laranja estragada apodrece as outras próximas, na sociedade funciona do mesmo modo.


São poucas pessoas, mas o suficiente para fazer um estrago em escala mundial, e por isso pergunto que mundo é esse? 


Que mundo é esse onde milhares de pessoas morrem diariamente, e por milhares de motivos diferentes?


Aqui, pessoas lutam contra pessoas, pode ser porque ambas estão erradas, ou pode ser que apenas uma esteja errada induzindo a outra ao erro.


A solução não está em dizimar a sociedade, isto seria o cúmulo da maldade! Porém, quanto mais pessoas comporem a sociedade, maior será a sua complexidade.


É bem complicado! Porém não desisto e não aconselho que se deva desistir da sociedade mundial, que esta é quem governa o mundo e sem nos consultar define o que será de nosso mundo.

6 comentários:

  1. Não concordo que o problema esteja no contingente populacional, discordo também de que as pessoas sejam naturalmente boas, afinal temos uma natureza egoísta que nos impele ao confronto.Viver alheio à sociedade é uma utopia que poucos são capazes de praticar... Apesar de discordar de alguns pontos de seu pensamento, reconheço que ao menos compartilho o sentimento que lhe motivou a escrever o post. Eu também me angustio perante à atual situação do mundo, no entanto não tenho mais esperança na humanidade, não somos capazes de nos reinventar como sociedade, a menos que venhamos a experimentar uma situação extrema. Acredito, que como indivíduos, devamos buscar a liberdade que o mundo não nos dá, e se o mundo faz de tal forma, façamos o oposto, esta é a única revolução que vejo como possível... Forte abraço!

    http://sublimeirrealidade.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Meu caro Bruno, o problema está sim na quantidade de pessoas que há na Terra, pois existe um limite de pessoas que o mundo pode atender, não só pelo espaço físico, mas sobretudo pela produção alimentícia que pode não ser suficiente para tantas pessoas.

    Eu não proponho viver alheio a sociedade! Até porque é como o texto mesmo explica; somos obrigados a viver em sociedade, visto que ela já se constituiu. Ao contrário do que você pensa, minha ideia é a de acreditar na sociedade, afinal eu componho assim como você compõe esta sociedade, então devemos fazer a nossa parte e não desistir covardemente.

    Também, em nenhum momento disse que se deve "reinventar-se como sociedade". O que digo é simplesmente que temos de agir e acreditar e não desacreditar como lamentavelmente você diz.

    ResponderExcluir
  3. Oi Anselmo,

    Penso que sempre ocorreram problemas dessa natureza n o mundo. Quando leio sobre antigas civilizações, fico chocada com a crueldade humana.

    Penso que hoje, apesar dos apesares, existe mais tolerância. E isso já é um bom começo

    Lu

    ResponderExcluir
  4. E aí Anselmo tudo bem?
    Rapaz seu texto é muito controverso e tem muitos pontos a ser discutido, mas é a sua opinião e até que ela não mude a gente tem que respeitar né?
    O legal é que você pensa nas coisas e assim sempre pensando as coisas e as idéias vão mudando de cor e de sabor!

    Parabens pelo blog!

    ResponderExcluir
  5. Opa! E aí Andre!

    A intenção é exatamente esta; discutir assuntos que são relevantes à sociedade.

    Mas qual é o ponto que quer discutir?

    ResponderExcluir
  6. Este texto é de uma pessoa sensível que não fala apenas do exterior mas de um todo. Os homens vivem em tribos, cada qual com seus iguais, quem não é claro em expor suas idéias, mas se esconde em analogias irá discordar.

    Abraço

    ResponderExcluir

Não sou o "dono da verdade", portanto, estarei sempre disposto a ouvi-lo(a)...