Só falta você!

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Deus e Jesus Cristo





Bem, há um certo tempo venho observando essa relação de Deus para com Jesus. E vejo que muitas pessoas confundem uma coisa com outra que, na real não tem nada a ver.


Antes de mais nada é preciso distinguir primeiro Deus de Jesus Cristo, pois pelo visto, as pessoas se perdem ao atribuir um acontecimento inexplicável pela ciência, ou seja, o milagre. Ou até mesmo ao venerar um ser superior. Todavia, entende-se Deus como um ser onipotente, criador de todo o universo, enquanto que Jesus é um personagem provindo do Deus segundo o cristianismo.


Logo, nada tem ver um com o outro, visto que para acreditar que Jesus realmente existiu, é necessário antes que se acredite na bíblia cristã que, por sua vez, é o "regimento" desta religião. O que significa que os não cristãos e leigos não possam crer na existência de um Deus sem que o mesmo idolatre ao personagem Jesus.


Veja meu caso; não sou cristão, abomino qualquer tipo de religião, diga-se de passagem, e tampouco chego a ser leigo em matéria de crença em Deus, tanto que sei discernir uma coisa da outra, e por essa razão eu nem sequer cito o nome Jesus em minhas orações, pois não acredito que este tenha existido, sobretudo não creio no cristianismo em si.


Então, existem vários caráteres diferentes por aí, tem uns que apesar de não seguirem religião alguma, clamam a Jesus, quer dizer: o sujeito acaba acreditando simplesmente porque uma parte da região em que vive também acredita. Isto é, além de leigo, este pode ser chamado de indivíduo do senso comum, ou seja, não se capacita a questionar e analisar as coisas que o cercam.


O fato é que todas as bíblias bem como as suas religiões, possuem suas contradições e estupidez, não obstante, criaram o cristianismo, cujo protagonista é Jesus Cristo, por isso o nome "cristianismo", de cristo.


Enfim, o cristianismo foi capaz de colocar Jesus à frente de Deus nesta determinada religião, dessa forma, por vezes recebemos destes um "Jesus te ama" ao invés do que seria um "Deus te ama".


Ou seja, as pessoas se perderam completamente, e já não sabem mais quem é Deus e quem é Jesus, sucedeu-se que mistura-se comumente já como jargão o nome "Jesus", independente de esta ser seguidora do cristianismo. 


Exatamente por você crer em Deus, entretanto, não pertencer a nenhuma religião, que você não deve idolatrar a Jesus, até porque Jesus só existe para os cristãos. Do mesmo modo que os islamitas, ou seja, praticantes do islã, idolatram a Maomé. Quer dizer: no islã a personalidade idolatrada é Maomé. E já que você não é cristão e nem islamita, você não deve crer em ambos personagens, peculiares a cada dogma. Portanto, desapegue!


Esta breve explicação serve de alerta para você, caso não seja um cristão e mesmo assim sai por aí dando graças a Jesus, pensando estar cumprindo com os devidos agradecimentos divinos, mas que na verdade não faz sentido para quem não é cristão. Preste suas devidas gratidões a Deus.


Lembro ainda que se você não tem religião, continue assim, pois ela só irá torna-lo ignorante, como a princípio disse, um indivíduo do senso comum. 

22 comentários:

  1. Acredito em Jesus Cristo, sim e procuro seguir aquilo que ele pregou como um homem comum, era um líder...e ...bem, o que interessa é "crer!
    Beijo, te c sigo, tá.

    ResponderExcluir
  2. Olá,muito interessante o sue post,pra mim foi esclarecedor e até me ajudou.Beijos e seguirei vc,te espero no meu blog ,ficarei feliz em vê-lo por lá.

    ResponderExcluir
  3. O Cristianismo é para mim um tanto confuso também. Fala-se na Santíssima Trindade, que Deus, Jesus e o Espírito Santo são apenas um só, contudo, a própria Bíblia diz que Deus enviou seu filho, ou seja, enviou a Ele mesmo? Ele mesmo é seu próprio filho?
    Há ramificações do Cristianismo que separa isto e diz que cada um é um ser individual.
    Deus, o criador, Jesus, o filho e Espírito Santo o espírito consolador que ficaria na Terra até o retorno de Jesus para julgar as pessoas.
    Eu respeito todas as crenças e não teria essa sua ousadia de afirmar a alguém para não ter religião porque isto a tornaria uma pessoa ignorante. Conheço teólogos muito inteligentes que possuem religião, acredito que isto não torne uma pessoa mais desprovida de inteligência ou inferior a outra, é algo muito individual e parece-me um tanto insensata e ofensiva afirmar tão claramente (e não, eu não tenho religião) pois muitos parceiros seus certamente possuem uma e lhes parecerá desrespeitoso.
    E você me surpreendeu, não pensei sequer que acreditasse em Deus ou fizesse orações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo: Conheço teólogos muito inteligentes e possuem religião.

      Parece-me um tanto insensata e ofensiva fazer esta afirmação tão claramente.

      #dedospsicopatas.

      Excluir
  4. Não sei se vc compreendeu, o objetivo da postagem não era só o de criticar a religião, mas sobretudo, separar Deus de Jesus. Por essa razão, tive de citar o cristianismo (religião da qual Jesus é o protagonista), e pelo visto deu resultados, já que disseram ter esclarecido melhor a questão.

    Eu não vejo como ousadia, mas sim como alerta, aconselhar as pessoas que elas não tenham religião. Ao falar isso eu não estou prejulgando nenhuma religião, pois eu já pisei em igrejas e frequentei cultos religiosos, portanto posso falar com propriedade sobre, e o que vi e que ainda vejo nas religiões é que elas são mais negativas do que positivas, visto que separam as pessoas causando densas rivalidades desnecessárias, e são ignorantes sim, e o pior é que transmitem toda sua falta de compreensão aos seus seguidores, como é caso do catolicismo que não aceita os homossexuais, tampouco o uso do preservativo, ou ainda a religião dos testemunhos de Jeová que não permitem a doação sanguínea. Então, eu devo dizer-te que sim, as religiões são ignorantes! Razão pela qual, eu diferente de vc não as respeito.

    Quanto ao que falou sobre os teólogos, é evidente que existem teólogos muito inteligentes, mas não foi direcionado para eles o que disse sobre a estupidez. Pois, o problema não são os teólogos, mas sim os seguidores comuns das religiões que muitas vezes obedecem ao que os líderes religiosos mandam sem
    questionar nada, feito um rebanho de ovelhas.

    Logo, não é insensata, já que eu analisei profundamente a temática, tampouco ofensiva, tendo-se em vista de que eu não xinguei as religiões, somente expus o que é fato.

    Eis o primeiro sinal da ignorância religiosa que mencionei; a ofensa gratuita. Não é só porque eu apresentei esclarecimentos, ou até mesmo opiniões contrárias as religiões que os mesmos devem sentirem-se ofendidos. Isso demonstra tamanha falta de flexibilidade e inteligência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parceiro, entendi o seu ponto e vi que uma pessoa disse que esclareceu melhor a questão e sim, uma pessoa, não deixa de ser um resultado.
      E eu acredito que esteja claro em meu comentário que compreendi o seu post, do contrário não teria explicado que existem certas ramificações cristãs que separam os três personagens: Deus, Jesus e Espírito Santo.
      Também já estive em igrejas, assumo que já passei por manipulações, fui batizado em três igrejas diferentes, contanto, quando disse que respeito todo tipo de crença, eu me referi as pessoas, não acho que todas que frequentem sejam inferiores ou desprovidas de inteligência, citei os teólogos como um exemplo somente, foi mal se me expressei mal.
      Respeito os religiosos que me respeitam (sim, eu conheço alguns bem centrados e inteligentes, não sou intolerante), tal como eu respeito os ateus.
      Não me sinto no direito de ditar regra alguma de como as pessoas devam vivenciar a espiritualidade delas, assim como nós tivemos que passar por nossas experiências para chegar as conclusões que chegamos, todos tem o mesmo direito se assim quiserem ou precisarem.
      Eu apenas não gosto de pessoas fanáticas e radicais, sejam elas teístas ou não, querendo impor suas verdades. Afinal, o que é verdade para uns, para outros não é. Por isto critico esta imposição cristã que se expande em redes sociais, onde alguns não precisam ser obrigados a ler.
      Talvez se tivesse citado em seu post tudo o que citou em resposta a mim, ele seria ainda mais enriquecedor do que foi. E não estou sendo irônico, se quer insistir no assunto, sugiro um post com tais argumentos.
      Eu vi muitas coisas as quais eu discordava quando frequentei algumas religiões, tanto que caí fora. O único que fiz foi dizer ter achado agressiva sua colocação e, como parceiro, acreditei que teria a liberdade de me expressar aqui por achar agressiva a afirmação de que toda pessoa que resolver seguir uma crença se transformará em uma pessoa ignorante. Nós já frequentamos e eu não me considero ignorante, tampouco o considero.
      Mas você deve saber, alguns religiosos poderão se sentir ofendidos (muitos são inflexíveis, é indiscutível), independente do que você pensa. Eu sei, já passei por tal experiência e por esta razão eu desisti de tentar argumentar sobre este assunto. Prefiro ficar imparcial, acho perda de tempo, não vou mudar o mundo e percebi que nestes debates ninguém chega a um consenso. Não vejo sentido chicotear cavalo morto. Deixo que cada um aprenda (ou não) com suas próprias experiências. Acho até importante, porque até para falar mal temos que ter conhecimento de causa.
      Mas esta é uma opinião pessoal, repetindo, que expressei aqui porque senti liberdade para isto.
      Quando temos um blogue e expomos nossas ideias, principalmente polêmicas como crenças, temos que nos preparar para discordâncias e, mesmo que você tenha ido até o meu espaço, não ter comentado uma vírgula do meu post, (moderei seu comentário que é idêntico a este) e ter feito questão de se posicionar com tanta determinação em dois locais, é porque provavelmente minha discordância de sua afirmação final (e não do post) possa ter lhe incomodado. Peço desculpas pelo transtorno.
      Eu não me importo, pessoas podem ir ao meu espaço discordar de mim, tanto que moderei e vim até aqui responder no seu, porque antes você tinha dito que não possuía o hábito de responder no próprio blogue e eu não tinha conhecimento que havia mudado o método.
      Agora sei que se quiser alguma resposta a partir dos próximos posts posso vir aqui, mesmo assim, sinta-se livre se achar que deve postar em dois locais a mesma coisa, sempre publicarei suas respostas. Não fiz meu comentário com intenção de levantar discussão sobre religiões, reafirmo isto. Temos pontos de vista diferentes, não quanto ao tema em si, mas quanto a nos posicionarmos publicamente diante dele.
      Não falarei mais nada sobre este post, tenho respeito por você, sempre lhe considerei uma pessoa ponderada e inteligente. E continuo considerando.
      Até o próximo post parceiro.

      Excluir
    2. Apenas uma última consideração: se achou meu comentário ofensivo não ao post, mas a sua pessoa, sinta-se livre para exclui-lo. Mesmo que não tenha sido a intenção, por vezes, estas coisas acontecem. Nem sempre é fácil se expressar ou interpretar certas coisas no mundo virtual, somente quando elas são muito gritantes. Até mais!

      Excluir
  5. Anselmo!!! Tenho que te dizer que sou cristã desde pequerrucha e que um post nunca será suficiente para fazer qualquer pessoa que tenha uma minima formação religiosa desacreditar do fato de que DEUS, a divindade que não é ele ou ele se mostra aos homens como Pai, Filho e Espirito Santo. Essa é minha fé, minha certeza e sim, amoooo estudar outras religiões, conversar com pessoas dos mais diversos tipos de crenças e descrenças, mas veja bem, fé é fé e não cabe a terceiros julga. Vc tem sua fé e eu tenho a minha e nós podemos conviver conseguimos nos respeitar, respeitar nossa subjetividade.

    Não me senti muito respeitada nesse post, confesso, embora realmente ignore uma série de coisas no mundo, infelizmente ou felizmente mundo é vasto e eu sou pequena demais para abarcar sua vastidão, não me vejo como uma pessoa ignorante no sentido que vc colocou no texto, respeito a fé dos outros, tento fazer meu trabalho direito, busco o conhecimento e mereço, como toda pessoa religiosa que sabe respeitar o outro, ser respeitada em minha fé!

    Sei lá, tem gente que me ver na rua vestida com minha saia a baixo do joelho, meu cabelo grande e minhas camisas de crente e me trata como se eu fosse idiota, eu sempre me sinto desrespeitada nesses momentos... É uma sensação ruim, acredite!

    ResponderExcluir
  6. Legal. Boas colocações Chris. Pra mim é muito bom saber a diferença entre dois seres imaginários.

    ResponderExcluir
  7. Querido Anselmo,

    Tudo bem? Li o seu post, mas não vou comentar porque penso diferente e muito. Não fique chateado, pois te acho um grande escritor e estarei sempre por aqui. Um beijo grande,

    Lu

    ResponderExcluir
  8. Querido,

    Voltei pelo carinho que tenho por você e te deixo uma palavra: Deus tem um propósito na sua vida e te ama. Ele é o nosso refúgio e nossa fortaleza.

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  9. Oi Anselmo
    Vim aqui dizer três coisas:1) Que esse Jesus que vc não acredita morreu há mais de dois mil anos atrás pelos seus pecados; 2) Que nem todos os que acreditam Nele são alienados ou bitolados, ou coisa assim. 3) JESUS TE AMA!
    Bjos. Um ótimo final de semana

    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Anselmo, eu procuro sempre me concentrar nos posts do autor, nunca dar minha opinião pessoal sobre a personalidade da pessoa em si, tomando como embasamento somente alguns poucos posts lidos.
    Pelos escritos conhecemos uma parte de quem escreve, é indiscutível, contudo, não o suficiente para saber o que esta pessoa vivenciou ou vivencia em sua vida real para formar uma opinião ao ponto de me achar no direito de me chatear com ela, ou julgá-la ignorante. Isto é algo do qual realmente não sou a favor.
    Se você levou para o pessoal minhas colocações, enganou-se. E sim, você também se engana.
    Não tenho nada contra debates, apenas não vejo como debater com alguém que já consumou que uma coisa é fato e ainda por cima um assunto que há muito não tem sido interessante para mim.
    Se derrotismo é me negar a me aprofundar em discussões inúteis e que já partiram para o pessoal, sou um derrotista assumido.
    Eis aqui, teístas e um ateu que satirizou legal seu post.
    Na boa véio, debata com eles e convença-os, ou dê sua opinião pessoal sobre o que lhe chateia a respeito deles, se esta é sua maneira de blogar.
    Debater assuntos que não chegarão a um consenso, para mim, não passa de uma grande perda de tempo.
    Fica de boa que não haverá "litígio" algum adiante.
    Sem mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é a minha réplica para este sujeito que nem sei se é homem suficiente para ter coragem de deixar passar minha resposta em seu próprio blog:

      Nossa cara vc se perdeu completamente nessa... Que decepção. Não entendeu o que eu quis dizer do início ao fim, quando eu disse que não sou capaz de me equivocar?!
      Oh cara, "derrotismo" é sinônimo de pessimismo. Então é isso que falei: acho vc muito pessimista, e não! Não é pessoal, afinal, não lhe conheço totalmente, falo logicamente baseado em seus escritos, que trazem sempre uma carga de pessimismo.

      A forma que eu utilizo o meu blog é problema meu. Foi você que tomou partido de ir até lá, me ler, e comentar.

      Cara, por favor não me procure mais. Pois o pouco do que te conheci, fora suficiente pra ver que tipo de gente vc é.

      Enfim, você não vale um segundo de tempo gasto.

      Excluir
  11. Olá Anselmo,

    Olha sem dúvidas este é um assunto polêmico, embora não tenha religião e acredite em Deus, sempre tendo a buscar entender a crença do outro.
    Sou adepto da teoria de que se a crença faz bem pra si e para os outros, que se mantenha na vida das pessoas.

    Agradeço o comentário, até mais!

    ResponderExcluir
  12. Olá Anselmo :]
    Bem, eu não sou cristã mas adoro teologia. Esse é um assunto bem polêmico, e sempre quando expressamos nossa opinião sobre, tem sempre alguém querendo debater e nos impor a "verdade única" em que ele acredita! rs
    Pra mim, Deus e Jesus estão estreitamente relacionados. Na bíblia fala que ele é 100% homem mas é 100% Deus. O Espirito Santo é o "fator comum" entre os dois. É meio difícil de entender, e isso é o que me motiva a pesquisar mais e mais.
    Saudades de te visitar aqui
    Beijos
    Sah

    __
    saahandradee.blogspot.com
    @qualsabrina
    @raasck
    ~

    ResponderExcluir
  13. Ola,
    Eu poderia escrever linhas e linhas aqui com os meus argumentos pois tenho vasto conhecimento sobre o assunto, mas respeito a opinião de todos afinal vivemos em uma democracia. Mas entendi o ponto de vista do Christian e devo dizer que concordo com ele, pois ao meu ver estamos todos aqui para debater e trocar ideias, enfim...

    ResponderExcluir
  14. Boa Tarde amigo Anselmo!

    Eu não sou cristão e, ao contrário de você, nem acredito em Deus. Ainda assim sou obrigado a dizer que um ponto do seu texto me incomodou. A tese da inexistência de Jesus. Remover o caráter divino com o qual as comunidades cristãs foram progressivamente revestindo-o é uma coisa. Eliminar sua presença história, é outra.
    Jesus quase não apareça nos historiadores oficiais do primeiro século. isto é normal. Sua presença, para aqueles homens que viam "messias" surgindo às dezenas, é irrelevante. Apenas outro crucifixado. Não obstante, é vasto o material com referência a ele, mesmo em textos deixados de lado pela comunidade cristã ao compilar seu livro sagrado, a Bíblia. Estão aí os evangelhos apócrifos como evidência disto. Como se não bastasse, os textos islâmicos, ainda que perseguidores ferrenhos do cristianismo, reconhecem a existência de Jesus como homem histórico e profeta provisório (sendo Maomé o Profeta dos profetas).
    Acrescentam-se os inúmeros relatos sobre a existência histórica e peregrinações de discípulos contemporâneos à Jesus, relatos estes que se espalham por boa parte da Ásia.
    Até em textos budistas (ver estudos de Nicolai Notovitch sobre textos lamistas) mencionam um sábio do Oeste, Issa (curiosamente o mesmo nome usado para Jesus nos textos islâmicos), sendo que na Caxemira existe o "túmulo daquele que sobreviveu à crucificação"!

    O fato é que não podemos, com base nas eventuais falhas que possamos localizar em lideranças cristãs contemporâneas e passadas, renegar o valor positivo da religiosidade em si. Sobretudo, não podemos descartar que existiu um homem magnífico, seu nome era Jesus, e o que ele tinha para dizer possuía uma profundidade descomunal, mesmo que ele fosse um simples mortal. A divinização de Jesus é falha de homens posteriores a ele. Que não culpemos o homem jesus, muito menos os representantes atuais do cristianismo, meros herdeiros da distorção dos antecessores, não arquitetos.

    Que a Força esteja com todos!

    ResponderExcluir
  15. Concordo com você Marcelo, porém você não compreendeu a mensagem principal de minha postagem, que era somente separar as crenças cristãs da crença em Deus. Visto que muitas pessoas não cristãs ainda vinculam Jesus à Deus por falta de conhecimento, enfim, o meu intento é de esclarecer essas disparidades existentes entre ambos estes, que em outras palavras seria: não é necessário adorar a Jesus Cristo para amar à Deus. Afinal, entende-se Deus como o soberano criador de tudo e de todos, isto é, muito acima das falhas religiões, que neste aspecto meu amigo discordo muito de você que elas sejam positivas, pois o homem é o fundador das religiões e não Deus, e o homem ser falho que é, cria religiões falhas por sua vez.

    O que eu realmente quis dizer quanto a Jesus foi o seguinte: que Jesus não foi exatamente aquele como fora retratado na bíblia cristã, ou seja, fazedor de milagres entre outras façanhas. Logo, eu creio sim que Jesus possa ter existido, no entanto, não creio que Deus seria patético ao ponto de enviar um homem para mudar o mundo se ele mesmo o faria quando quisesse, afinal se Deus existe, e eu acredito que sim, ele é onipotente não é?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eis aí um ponto EXTREMAMENTE perspicaz de sua parte. PARABÉNS! Não estou brincando! Fui cristão por muitos anos, ateu por alguns e budista nos últimos. (Pseudo)Filósofo durante todos estes momentos! E ainda assim jamais havia chegado a esta sua conclusão. BRILHANTE! Sem demagogia!

      "…não creio que Deus seria patético ao ponto de enviar um homem para mudar o mundo se ele mesmo o faria quando quisesse" EXCELENTE!!!

      Excluir
    2. PS: (E o senhor não é obrigado a publicar este PS). Continuo apoiando a religiosidade. Como o senhor bem diz, são falhas, mas perceber a falha de algo não equivale a anular completamente qualquer valor que este algo possua. Vide a medicina, algo falho criado por homens falhos; a tecnologia, a educação, as organizações políticas, etc. Coisas falhas, criadas por homens falhos, mas cada qual com sua colaboração inegável em nossa evolução, enquanto falhos em busca de aperfeiçoamento!

      Que a Força esteja com você!

      Excluir
  16. Sim Marcelo, as áreas que aponta possuem falhas pela mesma razão, ainda assim, se colocarmos na balança por exemplo a educação, naturalmente veremos que ela compensa pelos benefícios que abrangem, em descompensação vem a religião que mais malefícios traz às pessoas, que é a imposição de sensos antiquados e conservadores que, por sua vez, restringem as atividades das mulheres nos países mais fanáticos, ou ainda a recusa do uso do preservativo, que é isso: um preservativo para doenças. Ademais, a abominação aos indivíduos homossexuais, que são somente isso: indivíduos que escolhem ser o que querem, escolha da qual não afeta a ninguém. A religião acaba propagando a ignorância, e por essas e muitas outras acabam atrasando o desenvolvimento do mundo, o que contribui positivamente só se for para a estagnação mundial. Sobretudo, cito a separação entre as pessoas, a religião é um elemento causador de densas e mortais rivalidades, como é o caso dos palestinos e judeus, xiitas e sunitas, guerras que nasceram a partir do fanatismo religioso, e infelizmente se fazem jus ao título, pois é sangrenta e brutal, fazendo homens suicidarem-se em locais públicos matando gente inocente que nada tem a ver com isso. Sem contar com inquisição religiosa do período medieval, onde as pessoas que discordavam das doutrinas religiosas eram brutalmente mortas, ora queimadas vivas, ora a machadadas.

    Então eu lhe pergunto Marcelo: Onde está a sabedoria da religião? Não deveria ser a religião a dar o exemplo de paz? Logo, por que ela faz exatamente o oposto? Não acha que viveríamos melhor se não fôssemos tão separados um dos outros? Pra quê serve a religião se ela ignora a desigualdade social? Não vê come é o papado repleto de ouro? Porém, enquanto isso pessoas passam fome aos milhões pelo mundo.

    No mais, se pra você isso é contribuir para a nossa evolução, me decepciona muito seu pensamento.

    Encerro aqui minha participação neste tema. Vá-lha me Deus! É preciso explicar tudo.

    ResponderExcluir

Não sou o "dono da verdade", portanto, estarei sempre disposto a ouvi-lo(a)...