Só falta você!

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Os jovens



Falar acerca dos indivíduos jovens é algo que posso fazer sem me reprimir, pois eu também me incluo nesta classe, conseguintemente o texto seguirá um teor autocrítico.


De modo que este assunto é assaz apropriado a mim, entretanto, não pretendo aqui generalizar tampouco representar os jovens, apenas gostaria de expor as minhas aflições e preocupações relativas a categoria.


Pois bem, como jovem que sou, digo que algumas vezes me sinto vexado por certas atitudes tomadas por uns de nós, como por exemplo a conivência dos tenros para com as drogas sobretudo com as lícitas, pois é; as permitidas por lei, deixe-me explicar melhor: exatamente pelo fato das drogas legais serem liberadas para o consumo é que elas se tornam as mais perigosas. Não é à toa que vemos tantas mortes ocasionadas por pessoas jovens ou não, que dirigem alcoolizadas e assim se perdurará este problema se as bebidas alcoólicas continuarem sendo legais.


Enfim, se há os jovens que esmorecem-me por beberem demasiadamente, por outro lado há também os que vangloriam-me organizando inúmeras manifestações públicas. Esse entusiasmo típico dos jovens é realmente louvável. Só me chateia as marchas da maconha, pois como disse antes; impreterivelmente todas as drogas devem ser extirpadas.


Além do mal gosto pelas bebidas e pelo tabaco entre uma parte razoável dos jovens, eu citaria o desinteresse pela política como outro contra. Desafortunadamente, é muito comum ver entre os mais tenros, indivíduos apolíticos, e isso gera um imenso desperdício, visto que como antes enfatizei, os jovens são precisamente a parcela da sociedade que detém a força capital, ou seja, aquele entusiasmo arrebatador capaz de mudar o mundo. Logo, a premissa de que os jovens são as vítimas de um futuro apocalíptico e inalterável é besteira, é hiperbólico, pois nós também fazemos o futuro, temos condições totais para isso, embora falte-nos trocar os maus hábitos por mais consciência social e política.


Os jovens têm que conscientizarem-se de uma vez por todas que, o mundo só caminhará para frente fazendo política. Mais do que nunca os jovens têm de dominar os assuntos políticos, saber que o exercício do voto é apenas uma obrigação, enquanto que elaborar ideias de interesses sociais e lutar para que elas se concretizem é que é a política genuinamente.


Os jovens representam o êxtase de toda a humanidade. Portanto, dividimos as mesmas responsabilidades com os indivíduos mais velhos.


É também perceptível entre os jovens um mal uso de sua energia, isto é, não podemos cair em rivalidades, não podemos nos separar por meras bobagens. Ou seja, em vez de perdermos tempo competindo entre nós, devemos somar forças rumo a um futuro próspero para a nossa e as próximas gerações. Para isso, temos de esquecer nossas diferenças e nos entender como uma irmandade de jovens que precisam salvar o mundo das mãos conservadoras e consequentemente preconceituosas.


Sendo os jovens a chave para um porvir melhor, precisamos colocar em prática todas as nossas habilidades que podem ser muito úteis, haja vista a internet que nasceu concomitantemente conosco, e que inclusive auxiliou em diversas revoluções pelos países do norte da África e frações da Ásia. 


É injusto lançar todas as responsabilidades aos indivíduos das gerações antecedentes, pois eles também acertaram muito. Deste modo, partamos sempre do seguinte princípio: Conservemos as invenções do passado que beneficiaram a humanidade e descartemos os pensamentos antiquados, como por exemplo a violência que em efeito reverso gerou tantas guerras. 


A verdade é que nós jovens temos por obrigação melhorar o ambiente em que vivemos, pois o avanço dos recursos tecnológicos está aí, aumentando gradativamente, por essa razão temos o dever de progredir, já que as nossas condições são cada vez mais superiores.


Para fins conclusivos, digo aos jovens que a única coisa que nos falta é descarregar nossas energias em originalidade, e jamais nos permitir infectar com o conformismo e o pessimismo, deixe isso para os anacrônicos.

4 comentários:

  1. Oi Anselmo, gostei bastante do seu texto, parabéns pelo blog viu? Beijinhos! Seguindooo...
    http://somoscy.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi querido,

    Tudo bem? Perfeito a reflexão! Que o seu caminho seja de sabedoria, conhecimento e conquistas, evidenciando certezas e achados que engradecem a alma. Parabéns pela jovialidade e maturidade nas reflexões!

    Lu

    ResponderExcluir
  3. Sentimos falta do envio de links seus para o http://nabocadosapo.com.
    Compareça envie seus links.
    Um ótimo final de semana.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, Anselmo.
    Uma coisa que me parece comum a essa geração jovem atual é a indolência e a preguiça intelectual.
    Na minha época de adolescente, se tinha de buscar o conhecimento nos livros, e saber pesquisar corretamente; hoje em dia muitos jovens (não todos) apenas acessam o Google e a Wikipédia quando querem saber algo.
    A tecnologia não faz diferença alguma, é a forma de se usá-la que conta.
    Abraço, Anselmo.

    ResponderExcluir

Não sou o "dono da verdade", portanto, estarei sempre disposto a ouvi-lo(a)...